Familiares e atletas lotam a arquibancada coberta do Centro de Eventos

Familiares e atletas lotam a arquibancada coberta do Parque Esportivo

Foto: Marco Brizolla

Focadas no sonho de ser um craque de futebol, as crianças lotam as arquibancadas do Parque Esportivo da PUCRS na manhã deste sábado. Nem a chuva que cai em Porto Alegre impediu a formação de fila do lado de fora do evento. Algumas famílias estavam preparadas com guarda-chuvas, mas a mãe de Fabrício Araujo, 13 anos, trouxe até cadeira.

 

Luciane Araujo conta que eles chegaram na avenida Ipiranga às 4h40 e sabendo da longa espera resolveu trazer o apetrecho para não ficar tão cansada. A mãe de Fabrício mostra-se confiante com o filho. Moradores do Partenon, em Porto Alegre, o menino está acostumado a jogar bola nos campinhos do bairro.

 

- Acredito que meu filho tem talento e é o sonho dele. Eu vim apoiar e vou sempre – explicou Luciane.

 

Já a família de Maurício de Oliveira, 10 anos, veio de Caxias do Sul para o menino jogar. No dia da seletiva em sua cidade ele estava de férias com a família e não pode participar. Tendo acordado mais ou menos às 4h, o menino diz não estar cansado e quando questionado sobre o que veio fazer aqui responde que veio ganhar.

 

- Eu disse para ele que aqui na Capital é mais complicado, mas ele quis vir igual – disse o pai, Antônio Luís da Silva, que mesmo julgando mais difícil do que Caxias diz estar confiante com a classificação do filho.

 

Mesmo com chuva, a 1º fase da seletiva de Porto Alegre acontece até domingo. Estão sendo distribuídas senhas e as crianças são encaminhadas para a parte coberta do estádio. A 2º fase inicia-se na parte da tarde de domingo, dela sairão 60 crianças que irão se juntar as selecionadas nas demais cidades do estado. Três crianças serão premiadas em cada um dos Estados (Rio Grande do Sul e Santa Catarina). Todas as que chegarem à seleção final do campeonato terão chances iguais de ganharem a premiação.

 

Premiação 1 – Um ano de escolinha de futebol, além de material esportivo e escolar, para que a criança não tenha gastos extras e possa continuar estudando. O ganhador também pode optar por receber a quantia equivalente a esse prêmio em dinheiro (R$ 10 mil).

 

Premiação 2 – Os vencedores entrarão em campo com a seleção brasileira em um amistoso em 2014.

 

O Peneirinha Head & Shoulders é uma iniciativa da Procter & Gamble (P&G) e do Grupo RBS. Além do patrocínio de Head & Shoulders, o projeto tem o apoio das marcas Oral B, Ariel, Gillette Prestobarba3 e Duracell.

O número 1

dez 20, 2013

 

Primeiro inscrito avisa: “tomem cuidado comigo!”

 

Vanessa Girardi (vanessa.girardi@zerohora.com.br)

 

Duas das principais características de um jogador de futebol o primeiro inscrito da segunda edição do Peneirinha Head and Shoulders, Rayan Teles, tem: iniciativa e persistência. O menino de 11 anos, apaixonado pela bola, se tornou ainda mais inquieto depois que o colega do 5º ano do Ensino Fundamental Matheus avisou: “Vão lançar a segunda edição do Peneirinha, vamos participar?” Era a possibilidade real de dar um primeiro passo para a realização de seu grande sonho. Rayan passou a monitorar o site do projeto regularmente, precisava garantir seu nome entre os candidatos.

 

– Mãe, me ajuda! Preciso resolver isso agora! – disse Rayan, radiante.
A página na web havia aberto as inscrições.  A assistente social Eliana, 39 anos, concentrada nos estudos, mal conseguia assimilar o tamanho da agitação de seu filho mais novo.

 

– Falei para o Rayan esperar que depois eu o ajudaria. Ele ficou insistindo excessivamente. Dizia que precisava imprimir o cadastro e não dava para esperar. A sorte que meu outro filho, o Kaynã, chegou bem na hora e o ajudou. Ao receber a ligação da reportagem de ZH para comunicá-lo de que ele havia sido o primeiro inscrito no projeto, Rayan disparou:

 

– Não sei dar entrevistas. Mas achou que sei fazer gols (risos).
Econômico nas palavras, o colorado, fã de Neymar, desde já se prepara para a seletiva da Capital, prevista para o início de fevereiro. Segundo a mãe, é a oportunidade que ela devia a Rayan. Casada com o militar Cícero Teles, 45, a família foi transferida de Alegrete à cidade de Caicó, a 282 quilômetros de Natal, no Rio Grande do Norte. Lá, cansou de ouvir o pequeno pedindo para jogar em alguma escolinha de futebol:

 

– Caicó é interior, não tem peneiras. Prometi que quando voltássemos, tudo mudaria.

 

E mudou. Em Porto Alegre há cinco meses, Rayan joga como atacante na escolinha do Partenon Tênis Clube. Tem aulas duas vezes por semana. Acha pouco. Costuma aguardar o início da segunda turma do dia para ficar a tarde toda envolvido com futebol. E quer mais: estar entre os finalistas do Peneirinha Head and Shoulders. Aos adversários, manda um recado:

 

– Tomem cuidado comigo!

 

foto: Guilherme Santos/Especial  
 

Rayan Teles, 11 anos, é atacante e atua pelo lado direito de campo

Rayan Teles, 11 anos, é
atacante e atua pelo lado
direito de campo